Diversão e os cuidados com seu pet

Faltando menos de um mês para a chegada do verão, muitas pessoas aproveitam o calorzinho do final da primavera para ir à praia. Quem tem pet gosta de levá-los para aproveitar o tempo com eles, mas grande parte dos donos desconhecem doenças menos comuns e costumam se preocupar apenas com riscos mais conhecidos, como desidratação pelo calor. Ao viajar, poucas pessoas se preocupam com detalhes relacionados à saúde do bichinho antes e durante a viagem, o que é importante para evitar doenças como o verme do coração.

Fazer uma mochila com itens para seu pet facilitará bastante a sua viagem, como reservar uma garrafinha de água para manter a hidratação, protetor solar e sapatinhos para evitar contato com areia e o asfalto quente, prevenindo problemas de pele e ficar atento aos insetos.

Áreas litorâneas e de mata apresentam muitos mosquitos responsáveis por transmitir o verme do coração aos animais. A doença é silenciosa e pode ser fatal se não tratada adequadamente.

Transmissão

O verme do coração também é conhecido como dirofilariose e é transmitida a partir da picada de um mosquito. Segundo o médico veterinário Ricardo Cabral, coordenador técnico da Virbac – “Não há uma espécie em particular, até mesmo o pernilongo comum pode ser portador do Dirofilaria immitis. Quando o mosquito pica o cachorro, o verme entra pelo orifício e vai para a corrente sanguínea, se aloja no pulmão onde encontra um local propício para o desenvolvimento. Atinge o coração na fase mais avançada”.

Prevenção

A prevenção dessas doenças está relacionada a produtos, como repelentes em spray para insetos, coleiras e tipos específicos de pour on para passar na nuca do animal são indicados. É importante perguntar ao veterinário se a formula que está levando realmente atende as necessidades. Existe também uma estratégia para prevenir que o verme não se desenvolva, é o vermífugo com ivermectina, princípio ativo que mata a larva do mosquito que já está presente no sangue do animal.

No caso do vermífugo, ele deve ser aplicado antes da ida ao litoral e depois.

“Moro no litoral, o que preciso fazer para evitar que meu cão seja contaminado?”.

Os donos que moram em regiões litorâneas precisam ter a preocupação diariamente. Nesses casos o ideal é aplicar o vermífugo com ivermectina uma vez por mês, assim o verme nunca conseguirá se desenvolver.

Sintomas

Por dependerem do desenvolvimento do verme os sintomas demoram a aparecer. Só se manifestam quando as larvas se alojam nos vasos pulmonares. Nesse estágio, alguns animais podem apresentar sintomas discretos como falta de apetite, apatia e tosse.

Caso a doença não seja descoberta a tempo e tratada corretamente, os vermes atingirão o coração. Essa é a fase mais desenvolvida e pode causar lesões nos vasos sanguíneos e sérios problemas cardíacos, podendo levar ao óbito do animal. Tosse persistente, dificuldade em respirar, língua azulada, intolerância aos exercícios, falta de ar e desmaios podem se tornar frequentes.

Um veterinário deve ser procurado imediatamente se o seu pet apresentar qualquer um desses sintomas.

Tratamento

O diagnóstico da doença é feito por meio de exames de sangue e outros laboratoriais. Já o tratamento consiste na aplicação de medicamentos orais ou injetáveis nos estágios menos avançados, quando os vermes ainda não estão no coração.

Ao viajar, fique atento a essas ocorrências, faça visitas no veterinário para verificar a saúde do seu pet e planeje o cronograma com antecedência para estar preparado. Para que você possa viajar tranquilo, aproveite e faça um seguro viagem e garanta que a sua diversão esteja sempre protegida.

Fonte: Canal do Pet